SERIGRAFIA E SIGN 2017

segunda-feira, 12 de dezembro de 2011

FOTOLITO DIGITAL



Os filmes são produzidos atualmente em imagesetters a laser. Os dados processados são convertidos em telas e linhas por um PostScript RIP (Raster Image Processor), e traduzida para a linguagem de máquina do imagesetters. O resultado, então, é a produção do filme.

As imagesetters são equipamentos que geram os arquivos magnéticos transformando-os em papel fotográfico ou  separação de filmes de alta resolução. Os resultados obtidos na saída,  combinam uma variedade entre resolução, lineatura e ângulos para a máxima fidelidade, evitando os moirés, incômodo visual caracterizado pelo erro no registros das cores angulares.






COMO FUNCIONAM?

Operacionalmente, uma imagesetter é semelhante a uma impressora PostScript. As diferenças entre uma impressora laser ficam por conta da resolução, formatos e mídias.
Em vez de sensibilizar um tambor fotossensível e transferir toner para o papel, o feixe de laser da imagesetter sensibiliza diretamente o filme ou papel fotográfico.


CONTROLE DE QUALIDADE

Para reproduzir imagens com meio tom e filmes de cores com qualidade profissional é necessário uma saída precisa e uniforme.
É importante uma boa densidade de imagem, ou seja, a capacidade do filme em produzir um preto chapado (opaco). A segunda condição que afeta a qualidade dos meios-tons é a reprodução dos valores de retículas: se você cria um benday com 30%, você espera que uma tinta a 30% tenha 30% no papel ou no filme. Outro requisito é a precisão nos registros, independe de quando e como foi gerado.
Devemos usar um softwares de calibração nas imagesetters e densitômetros para que a saída seja a mais confiável, garantindo o resultado previsto nos arquivos de seus clientes.


PARÂMETROS DOS FOTOLITOS:

Para a reprodução gráfica de uma arte de tom contínuo, é necessário converter uma fotografia, desenho ou pintura para uma imagem fragmentada em pequenos pontos, maiores ou menores, de acordo com a tonalidade do original. Essa fragmentação pode ser em linhas retas, circulares, grãos, pontos estocásticos ou retículas convencionais igualmente espaçadas entre si.

Para a elaboração de fotolitos que permitam a perfeita reprodução das cores, é fundamental o conhecimento e a definição correta dos seguintes parâmetros:

a) Qualidade e camada do fotolito (filme): um filme fotográfico é composto por uma base de poliéster transparente e pela camada negra opaca. Na exposição da matriz serigráfica (gravação da imagem), essa camada negra deve estar em contato com a emulsão fotográfica. Portanto, para impressão legível, o positivo deve ser legível; para impressão ilegível, o positivo também deve ser ilegível. Observar a qualidade do positivo: as áreas escuras devem ter boa opacidade (densidade acima de 3,2) para bloquear completamente os raios de luz que endurecem a camada fotográfica. As demais áreas devem ser transparentes e livres de sujeira ou poeira, para evitar a retenção de luz e o aparecimento de furos na matriz fotografada. Evitar filmes sobrepostos ou montados com fita adesiva.

b) Lineatura (número de pontos por cm): este parâmetro está associado a um fator de fragmentação do original e consequentemente ao tamanho dos pontos e espaçamento entre eles. A Lineatura deve ser definida em função da distância da qual a quadricromia será vista pelo público, tipo de tinta de impressão e acabamento superficial do substrato. Observar na Figura 1, uma ilustração com retículas convencionais e estocásticas, ao longo de diversas lineaturas. Em serigrafia, pode-se trabalhar com uma lineatura que pode variar de 5 a 60 pontos/ cm (equivalente a uma variação de 12,7 a 152,4 pontos/polegadas). Quanto maior for a lineatura, menor será o ponto e mais complexa será a impressão, pois as retículas se tornam muito pequenas, chegando a ser menores que o diâmetro do fio do tecido, o que implicaria em perda de detalhes na impressão.
Para a estamparia de tecidos usa-se lineatura de 15 a 30 linhas e nas tintas a base de solvente de 30 a 60 linhas.




O meio tom simula um tom contínuo, pois o olho humano não pode distinguir os pontos individuais.

Sob condições normais, o olho humano discerne dois pontos adjacentes ou linhas como separados quando as suas imagens não puderem ser impressas em células retinais vizinhas (bastonetes ou cones)

Os pontos tornam-se não distinguíveis quando as suas imagens caem na mesma ou em duas células, retinais adjacentes.

A resolução angular mínima do olho humano é aproximadamente 0,02º





DIRETRIZES
Formato
Distância de
Visualização
Pontos de meio
tom por cm
- DIN A4
- 0,5 m
36-48
DIN A4
Aprox. 0,5 m
24-36
DIN A3
0,5-1 m
18-24
DIN A2
1-3 m
15-20
DIN A1
2-5 m
12-18
DIN A0
3-10 m
12-15
+DIN A0
3-20 m
-12


Tipo de tinta
Finura
retícula
Tecido
fios/cm
Fio
diâmetro
Trabalhos gráficos, CDs
à base de solventes
Até 48 LPC
120 - 165
27, 31 e 34 µm
ultra violeta
Até 60 LPC
Até 15 LPC
140 - 180
90/2
27, 31 e 34 µm
34 µm
à base de água
Até 48 LPC
140 - 180
27 e 31 µm
Impressão direta sobre cerâmica
à base de água
Piso
Até 24 LPC
40 - 77
80, 70, 64, 55 e 48 µm
à base de solvente
Azulejos
Até 36 LPC
120 - 140
34 e (31) µm
Decalques para cerâmicas
à base de solvente
Até 48 LPC
120 - 165
31 e 27 µm
Impressão de camiseta
tinta de pigmentos
Até 24 LPC
61 - 77
90
64, 55 e 48 µm
40 µm
tinta de plastisol
Até 36 LPC
90 - 140
48, 40, 34 e (31)µm

c) Tipo de retícula (pontos): os pontos da quadricromia podem ser redondos (circulares), elípticos ou quadrados, considerados tradicionais. Também podem ser utilizados os pontos estocásticos, aleatórios.
Sugerimos a utilização dos pontos regulares de retículas, que geram uma melhor nitidez da imagem impressa. Destes, o mais indicado é o elíptico, que permite uma boa transição entre claro e escuro (luz e sombra).





d) Tonalidades máximas e mínimas: por definição, tonalidade é a relação entre os pontos impressos e a área sem impressão, expresso em porcentagem. Abaixo de 40%, temos as áreas claras. Acima de 60%, as escuras. Para permitir a reprodução de todos os pontos, deve-se garantir que o menor ponto sempre tenha uma ancoragem firme nos fios da malha e que também estes fios não impeçam o fluxo da tinta pela menorárea aberta. Para satisfazer estas exigências, os pontos mais finos (positivos ou negativos - mínimo ou máximo) devem ter seu diâmetro maior que a soma de 1 espaço entre fios (abertura da malha) mais 2 diâmetros de fio do tecido de impressão (fig. 2).
Recomendamos que para os fotolitos de quadricromia para serigrafia, sejam estabelecidos como tonalidade mínima 15% e como máxima 85%. Todavia, o mais eficaz é realizar testes, imprimindo uma escala de tonalidades crescentes (de 0 a 100%) e observando os valores reais para os pontos de máxima e mínima tonalidade, realmente impressos.




Nenhum comentário:

Postar um comentário

Faça seu comentário, participe com suas sugestões!