SERIGRAFIA E SIGN 2017

segunda-feira, 18 de janeiro de 2016

ABC DOS TECIDOS SERIGRÁFICOS


Urdidura / trama

A direção longitudinal do tecido de malha é conhecida como a urdidura e a direção lateral é conhecida como a trama.


Abertura de malha =  w
Diâmetro do fio =  d
As duas variáveis mais importantes dos tecidos são a abertura da malha (W) e o
diâmetro do fio (d).
Exemplo: PA 50/30
50 = abertura da malha (w) em mícron



30 = Fio diâmetro (d) em mícron

A espessura da malha é determinado pelo fio diâmetro e a técnica de tecelagem. A medição da espessura é tomado com a malha sem tensão, usando um medidor (pressão de medição 1.8N) sobre uma base rígida. Os valores de tolerância para medir o tecido desenrolado entre +/- 2 a +/- 5 mícron, depende do tipo de malha. Dentro do rolo, as tolerâncias são significativamente superior.




A numeração ou lineatura do tecido

A lineatura da malha identifica o número de  fios por polegada linear (contagem mesh):



Depósito de tinta teórica Vth

O depósito de tinta teórico descreve o volume da malha aberta, calculado sobre a área do substrato. No caso de insuficiente cor estabelecer, uma malha com um Vth alta deve ser usado.



Espaço Aberto A0

A área aberta descreve a área total aberta em termos de aberturas de malha em toda
superfície da malha. Quanto maior a área aberta, maior a taxa de transferência de cor.

Exemplo: SD 50/30: 39%



Tensionamento

Tensionamento correto depende da aplicação. Os valores indicados nas especificações são apenas recomendações dos fornecedores.

Fato

Quanto mais elevada for a tensão de malha, mais baixa é a viscosidade da tinta e o mais lento o rodo velocidade, quanto menor for a distância fora de contato requeridos. Ao imprimir com o contato à distância, a malha deforma-se ligeiramente, o que tem um efeito negativo lidar com precisão de registro. Quanto menor a distância do  fora de contato, menor é a deformação da malha e, por conseguinte, melhor será a precisão de registro.
Nota: Dobrar a distância fora de contato quadruplicar a distorção da imagem.



Fato

1. Malhas de aço inoxidável pode ser tensionada para valores mais altos devido à sua maior flexão força.
2. Os valores de tensionamento de tela mais alto, facilita usar uma distância de fora de contato menor.
3. Quanto menor a distância fora de contato, melhor será a precisão de registro.
4. Utilize sempre molduras com perfil de alumínio.
5. Uma moldura que é muito pequena em relação à imagem impressa vai levar a uma sobrecarga do malha e à fadiga prematura. A fim de beneficiar de todas as vantagens do tecido, utilize como base as relações geométricas detalhados neste desenho.



6. O tensionamento dos tecidos deve ser feito gradativamente em fases. Aumentar as tensões de urdidura e de trama direções alternadamente, sempre começando com a urdidura direção.



7. Durante o processo de tensionamento, verifique os valores de tensão usando um confiável dispositivo de medição, como um tensiômetro.


8. Deixe a tela em repouso por 15-30 min. em seguida, verificar a tensão novamente em conformidade.

9. Alinhar a malha de um ponto de vista mecânico, a montagem dos quadros a um ângulo de 45% é o mais estável opção. No entanto, por razões técnicas  ao imprimir grandes formatos, este ângulo  nem sempre é uma  ótima opção.

10. Sempre que possível, monte as malhas em um ângulo (22 a 45 °), se montar os quadros em ângulo não será possível, alinhar a direção da trama do tecido para o rodo.



11. Para selecionar a distância correta do contato de contato dependente de uma variedade de fatores, tais como: tensão do tecido, da viscosidade da tinta, rodo, velocidade de impressão, mas também sobre a imagem impressa em si.

12. Recomendações para estabelecer o fora de contato e pressão do rodo ideal. Em princípio, o as dicas a seguir são válidas:
·         Sempre comece com a menor distância possível de fora de  contato.
·         Sempre trabalhe com o mínimo de pressão do rodo.

13. A precisão de registro não satisfaz requisitos somente relacionados a distância mínima de fora de contato, o aumento do tamanho do quadro, mantendo o mesmo tamanho da imagem irá melhorar de forma significativa o resultado final.


14. Calandragem é um processo utilizado por alguns fabricantes  para reduzir a espessura dos tecidos e conseqüentemente reduzir o consumo de tinta. O equipamento geralmente possui força máxima de calandragem  de 280 toneladas, e o equipamento pode lidar com malhas de larguras de até 1,600 milímetros. Podemos gerenciar o valor de calandragem, de suave calandragem (redução de 10% em espessura) para calandragem pesada (redução de 30% na espessura até 45% para certas especificações), alcançar tolerâncias de +/- 2 micron através a largura e comprimento do rolo.



sexta-feira, 15 de janeiro de 2016













FRANK ROMANO NO BRASIL
Um dos mais renomados profissionais da Indústria Gráfica mundial estará no Brasil em apresentação única no Rio de Janeiro: Frank Romano.
Anote já em sua agenda para não se esquecer desse evento importante que acontecerá no dia 2 de fevereiro de 2016, no Auditório do FIRJAN da cidade deRio de Janeiro!
Sobre Frank Romano: tem mais de 40 anos de experiência na indústria gráfica e no mercado editorial. Ele é mais conhecido pelo seu trabalho como editor no “International Paper Pocket Pal” e pelas centenas de artigos escritos para publicações na América do Norte e Europa, do Oriente Médio à Ásia e Austrália.
É autor de mais de 44 livros, incluindo “10,000-term Encyclopedia of Graphic Communications”, obra referência no campo. Seus livros sobre Quarkxpress, Adobe InDesign e fluxo com o PDF estão entre os mais vendidos em suas categorias. Ele também é responsável pela maioria dos livros sobre impressão digital. Sua obra mais recente é um livro-texto de 800 páginas para a Universidade Estadual de Moscou.
Romano é um palestrante muito ativo, tendo atuado em quase todos os clubes, associações de classe e organizações profissionais. Ele é um dos principais palestrantes da indústria. Tem prestado consultoria para grandes corporações, editoras, governos e outros usuários da impressão digital e tecnologias de publicação. Ele escreveu o primeiro relatório sobre impressão digital sob demanda em 1980 e conduziu a primeira conferência sobre o tema em 1985.
Ele desenhou e concebeu muitas das técnicas utilizadas no workflow da indústria e foi o principal pesquisador do estudo do EDSF (The Electronic Document Systems Foundation) que é um marco da indústria de impressão, “Printing in the Age of the Web and Beyond”.
Frank Romano têm sido citado por veículos como “New York Times”, “Wall Street Journal”, “Times of London”, “USA Today”, “Business Week”, “Forbes” e muitos outros jornais e pbublicações, bem como na TV e Rádios. Também firmou uma parceria com o “InfoTrends” no segmento de informações estratégicas para a indústria de impressão.
Segue lecionando em cursos no RIT e outras universidades, além de trabalhar com projetos de pesquisas diferenciados com estudantes.
Em breve, mais informações sobre esse evento.
Auditório do FIRJAN
Rio de Janeiro
2 de Fevereiro de 2016
R$ 199,00














Local


Frank Romano no Brasil
Data: 02/02/2016
Local: Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro (Auditório FIRJAN)
Rua: Av. Graça Aranha, 01 – 2º andar
Bairro: Centro
Cep: 20030-002
Cidade: Rio de Janeiro















quinta-feira, 14 de janeiro de 2016

SERIGRAFIA ROTATIVA


Esta tecnologia permite aplicação deste processo onde os processos convencionais não o permitem. Impressões em larga escala, alta definição, alta velocidade de impressão e reprodução são as suas principais características. Com este processo podemos aplicar tintas com altas camadas de depósito, com pigmentos de grande dimensão, com efeitos especiais e com funções para os mais variados segmentos de mercado.
A serigrafia rotativa é muito utilizada para impressão de tecidos em geral. Podemos utilizá-la também para imprimir rótulos, etiquetas, adesivos, embalagens, materiais cerâmicos, antenas de RFAI, teclados de membranas, impressão de segurança  industrial em geral.



A matriz serigráfica utilizada para impressão é cilíndrica e utiliza tecidos metálicos (aço inox, níquel, etc), algumas matrizes chegam a alcançar tiragens de 500 mil metros.
Podemos  dividi-la em impressão banda estreita e larga. No segmento de artes gráficas, ou seja, impressão de papel ou adesivos, encontramos as telas serigráficas rotativas de banda estreita e no segmento têxtil, encontramos as de banda larga.
O princípio de impressão é o mesmo, uma tela, tinta e rodo impressor. A tela é alimentada internamente com tinta através de um sistema de bombeamento que leva e distribui uniformemente a tinta internamente na matriz. A impressão acontece quando o rodo impressor ou racle de poliuretano força a passagem desta tinta pelas áreas abertas da tela. 


MATRIZES ROTATIVAS

Existem no mercado dois tipos de tecidos que podemos utilizar neste processo, um tecido metálico, com estrutura tafetá de fios de aço inox (1:1) e um segundo  tecido formado por eletroformação de níquel, com estrutura hexagonal. Os dois maiores fornecedores mundiais de tecidos para serigrafia rotativa são a SPG Prints da Holanda e Gallus da Suíça.




SISTEMA GALLUS

As telas  fabricadas pela Gallus são comercializadas em formatos pré-definidos pelas máquinas impressoras, possuem em sua estrutura de tecelagem fios de aço inox revestidos por níquel, com lineaturas diversas. A tecelagem tafetá foi utilizada em sua confecção, alguns tecidos são fornecidos com tratamento de calandragem em uma de suas faces, tendo como objetivo a redução do depósito de tinta impresso. Essas telas são fornecidas com emulsão fotopolimérica aplicadas de fábrica. Para gravar basta retirar a proteção de poliéster transparente que protege a camada de emulsão e colocá-las na expositora UV em contato com o filme. Após o transporte fotográfico da imagem para tela, revelar o grafismo com jatos de água, secando posteriormente o tecido com ar quente controlado. Uma vez seco a tela, passamos para fase final de confecção da matriz rotativa, que consiste em soldar o tecido usando um equipamento especialmente projetado para esta finalidade, formando uma camisa. Agora com o tecido em forma de camisa, passamos para última fase, que consiste em colar o tecido nos anéis de alumínio laterais.




PROCESSO DE PRODUÇÃO GALLUS




SISTEMA SPG PRINTS

As telas metálicas da SPG Prints (Holanda), denominadas RotaMash são telas formadas por eletrodeposição, 100%  níquel, com estrutura alveolar hexagonal. Segundo informações do fabricante, esta tela tem uma durabilidade de 500 mil metros de impressão. Essas telas foram projetadas para serem utilizadas com aplicação de emulsão líquidas, podem ser utilizadas inúmeras vezes, em trabalhos diversos, uma vez que podem ser reaproveitadas com  total remoção da camada de emulsão fotográfica.




PROCESSO DE PRODUÇÃO SPG PRINTS




IMPRESSÃO SERGRÁFICA ROTATIVA

Alguns equipamentos de impressão são modulares. Essas impressoras atingem uma velocidades de impressão de 125 metros/linear, podem ser instalados em linha com outros processos de impressão compatíveis do mercado, como: rotogravura, offset, flexografia, hot stamp. São chamados de impressão híbrida (multiprocessos) em linha para produção de rótulos, etiquetas, etc.
Existem também as impressoras rotativas para área têxtil, que são utilizadas para imprimir tecido a metro.