SERIGRAFIA E SIGN 2017

sexta-feira, 11 de março de 2016

LOG 27-01

Em maio será realizada a 26ª edição da Serigrafia SIGN

Em paralelo ao evento ocorre a Future TEXTIL 2016, a primeira exposição totalmente dedicada à tecnologia de impressão digital têxtil na América Latina

São Paulo, março de 2016 - Entre os dias 03 e 06 de maio a cidade de São Paulo sediará, no Pavilhão do Anhembi, a 26ª edição da Serigrafia SIGN, feira que envolve setores como comunicação visual, sinalização, sublimação, impressão digital, impressão têxtil, materiais promocionais, brindes entre outros. Durante quatro dias, o evento, que é organizado pela Informa Exhibitions, deve reunir 650 marcas e atrair 44 mil visitantes.
"Reuniremos compradores de todo o Brasil e de diversos países, proporcionando aos expositores oportunidades de negócios e de relacionamento com novos fornecedores. Disponibilizaremos mais de 40mil m2 de área de exposição e teremos cerca 150 expositores internacionais", afirma o diretor da feira, André Veiga.

A Serigrafia SNG irá reunir fabricantes de equipamentos e máquinas, mídias, soft signage, routers, engravers, gravadoras a laser, tintas, solventes, látex, lona, papel, vinil e muitos outros produtos e serviços do setor. Empresas como Epson, HP, Serilon, Oce, Flexmag, Caldera, Silksmaq, Mimaki, Roland entre outras, já confirmaram presença. 
Além da feira, a Serigrafia SIGN terá como destaque a Arena do Conhecimento, que consiste em um espaço destinado a palestras, workshops e demonstrações ao vivo. "Esta foi uma área de grande sucesso na última edição da feira. Não podíamos deixar de realizá-la novamente", completa Cíntia Miguel, Show Manager do evento.

Future TEXTIL

Em razão do público que buscou empresas e informações sobre o setor de impressão em tecido, a direção da Serigrafia SIGN irá realizar, em paralelo a feira, a primeira exposição na América do Sul totalmente dedicada à tecnologia de impressão digital têxtil, a FutureTEXTIL.
 A Future TEXTIL é resultado da parceria a organizadora da Serigrafia SIGN e a World Textile Information Network Ltd (WTiN), famoso portal de segmento têxtil. “Nós sempre tivemos a impressão digital em tecido na feira. Como a procura aumentou por parte dos visitantes em saber mais sobre essa tecnologia, assim como os expositores que também estão investindo nesses equipamentos, resolvemos criar esse espaço”, comenta a Show Manager da feira. 

Sobre a Informa Exhibitions

A Informa Exhibitions acredita que eventos são plataformas de conhecimento e de relacionamento, que auxiliam a impulsionar a economia brasileira. A empresa é filial do Informa Group, maior organizador de eventos, conferências e treinamentos do mundo, com capital aberto e papéis negociados na bolsa de Londres. Dentre os eventos realizados pela Informa Exhibitions no Brasil estão: Agrishow, Fispal Tecnologia, Fispal Food Service, ForMóbile, FutureCom, ABF Franchising Expo, Serigrafia SIGN e Feimec, num total de 24  feiras setoriais. A Informa Exhibitions possui escritórios em São Paulo (sede) e Curitiba, com cerca de 200 profissionais.  Nos últimos quatro anos, a empresa investiu cerca de R$ 400 milhões no Brasil em aquisições de eventos e marcas, o que levou a decisão estratégica de alterar o nome da empresa no Brasil de BTS Informa para Informa Exhibitions.
Para mais informações, acesse: www.informaexhibitions.com.br

Serviço
Serigrafia SING 2016 e Future TEXTIL 2016

Site da feira: www.serigrafiasign.com.br
Data:
de 03 a 06 de maio
Horário: Das 13h às 20h.
Local: Pavilhão do Anhembi - São Paulo/SP
Atendimento ao visitante:
 serigrafia@informa.com

quinta-feira, 10 de março de 2016

INDEXAÇÃO DE CORES

1) De que maneira entender o tema indexação de cores contribui para obter bons resultados em estampa feita por meio da serigrafia?

Este tema está sendo abordado com maior freqüência na atualidade, pois sabemos que o processo de impressão serigráfica também tem passado por uma grande evolução tecnológica, advinda da evolução dos recursos digitais.
Até pouco tempo se ouvia falar muito que o fim da serigrafia estava muito próximo. Mas eu sempre tive uma visão que a serigrafia passaria por um processo de automação industrial e utilizaria recursos inovadores, bem como novos insumos, e se sustentaria como um processo forte e consolidado para impressão de determinadas mídias específicas.
Esta nova realidade está presente hoje em algumas estamparias que investiram neste processo como forma de produzir com qualidade e baixo custo.
Antes da indexação de cores, se utilizava muito a impressão CMYK como forma de reproduzir imagens realistas complexas em serigrafia. Sabemos que bons resultados são alcançados ainda na atualidade com a técnica de impressão em quadricromia em tecidos de cor branca, porém em tecidos de cor preta se faz necessário a impressão de uma base branca para receber as cores CMYK posteriormente. Esta base branca sempre foi indesejável, porém necessária, pois as tintas de cromia não possuem solidez na cor, ou seja, são cores translúcidas. Essa limitação de impressão fez com que o resultado final apresentasse uma estampa pesada, devido à impressão deste fundo branco.
Desta forma, eu vejo a indexação de cores em serigrafia como uma excelente opção para se produzir estampas com imagem realistas com alta qualidade impressa, com custos reduzidos quando comparado com a impressão têxtil digital em larga escala de produção, onde os insumos ainda possuem custos alto quando precisamos imprimir grandes quantidades. Não podemos também deixar de mencionar que o uso de tinta plastisol na impressão de cores indexadas em serigrafia, proporciona um toque suave e bonito visualmente, valorizando o vestuário.


2)Tecnicamente, como é feita a indexação de cores?

Indexar não é mais do que uma técnica que nos permite limitar o número de cores numa imagem a um conjunto específico e predeterminado de cores.

Em Photoshop estas cores são salvas como uma "Color Look-Up Table", normalmente referidas como CLUT. Este CLUT serve como um índice de cores numa imagem. Num sentido bastante vago, todas as imagens digitais são indexadas porque elas são compostas por um conjunto limitado de cores, definido pelo "gamut" de um determinado tipo de espaço de cor de uma imagem.

Logicamente, no caso de uma imagem RGB ou CMYK, o número de cores pode ir até as centenas de milhares. Por sua vez, o Photoshop não é capaz de gerar um CLUT para mais que 256 cores, o conceito é o mesmo; a imagem é formada com um conjunto limitado de cores.


                                              Imagem em RGB

O Photoshop tem uma rotina de indexação que tem sido utilizada por anos para reduzir o numero de cores da paleta de gráficos destinados á internet, com a finalidade de reduzir o tamanho do arquivo.
Porem pouco utilizada pela serigrafia, devido algumas limitações, desta forma, especialistas desenvolveram processos dentro do próprio Photoshop no qual podemos realizar estampas realísticas com cores indexadas de 04 a 12 cores, conseguindo ótimos resultados.


É válido perguntar; mas então porque havemos de querer utilizar cores indexadas?

A primeira tarefa quando pretendemos fazer uma separação de cores, é decidir qual o tipo de separação que irá funcionar melhor para a nossa imagem. CMYK ou Cores Indexadas?

Considerando que as separações indexadas não utilizam as tradicionais tramas de meio-tom, mas sim pixels quadrados, em que todos têm o mesmo tamanho, outro fato interessante é que esse ponto não se sobrepõe como  ocorre na impressão em quadricromia. Os pontos da retícula em cores indexadas são dispostos lado a lado, o que permite a produção de matrizes serigráficas de melhor qualidade.


                                         Imagem com cores indexadas


3) Algum tipo de tinta é mais indicado para estampas produzidas a partir da indexação de cores? Qual e por quê?

A impressão de cores indexadas em serigrafia exige  o uso de uma tinta que não seque em temperatura ambiente. Pois a reprodução de pontos muito pequenos seria impossível com uso de tintas convencionais, ou seja, tintas a base de água, que secam em temperatura ambiente.
As dificuldades também estavam no acerto das cores das tintas, como conseguir umas cores tão vivas sobre um tecido preto sem repiques, com toque macio, trabalhando com reticulas entre 55 a 70 LPI, com telas entre 77 a 120 fios cm, onde querendo imprimir com alta produtividade com tintas base água é praticamente impossível.

Neste caso específico utilizamos as tintas chamadas de plastisol, formuladas a partir de uma resina de PVC 100% sólida e seus plastificantes, proporcionando toque macio. Tinta de secagem em estufa. Para a cura total recomenda-se temperatura de 160° a 170°C, por 3 a 4 minutos.

O uso de uma tinta com qualidade, de boa cobertura em fundos escuros e que não seque em temperatura ambiente é fundamental para o sucesso desta técnica de impressão.


4) Existem macetes para trabalhar com indexação de cores? Quais?

Eu diria que na verdade existem recursos tecnológicos adequados para estabelecer um ótimo resultado de impressão com cores indexadas.
Se você deseja alcançar um excelente resultado final de impressão serigráfica com está técnica, eu recomendaria alguns investimentos como uma impressora têxtil automática, comumente chamada de impressora carrossel, onde podemos controlar a repetibilidade da impressão com ajustes de velocidade, pressão e inclinação do rodo impressor.
Outro fator importantíssimo, é a qualidade das matrizes serigráficas, hoje em dia existem equipamentos de gravação de matrizes digital, denominados CTS – Computer To Screen, capazes de reproduzir imagens complexas com muita qualidade de resolução em telas serigráficas.
Com o uso desses recursos para reproduzir cores indexadas em serigrafia, você certamente alcançará um ótimo resultado final, agregando valor ao seu produto de vestuário, criando um diferencial competitivo para sua comercialização.

Sérgio Machado de Lima “Dr. Silk”.

Professor e Consultor em artes gráficas.