SERIGRAFIA E SIGN 2017

sexta-feira, 25 de outubro de 2013

PROCESSO DE TRANSFERS - 1ª PARTE




Transfer é a transferência de uma película de tinta seca impressa sobre um substrato para outro material específico.



Dessa forma, o processo de transfer envolve duas etapas: a primeira consiste na estampagem do produto sobre um papel especial (ilegível). A segunda consiste na sua posterior transferência para o tecido através de prensa térmica.


É recomendável sempre fazer testes antes, pois cada tipo de tecido é um produto diferente e pode acarretar diferenças de tinta, tempo e temperatura de transferência.

O processo de transfer é um suporte para o mercado de produtos para estamparia localizada, que vem se desenvolvendo cada vez mais e ampliando a sua lista de produtos e aplicações. Podemos listar aqui alguns desses produtos:

- Transfer PU; 
- Transfer Sublimático; 
- Transfer Plastisol; 
- Transfer Foil Metalizado; 
- Transfer Flocado; 
- Outros.


A vantagem de se trabalhar com transfer é que se consegue uma produção rápida para alta quantidade de estampas ou aplicações. Como são utilizadas mesas planas e duras, há uma grande economia de tinta em relação ao silk screen aplicado diretamente no tecido.

Outra vantagem é que se consegue numa só folha de papel especial encaixar diferentes desenhos, aumentando o aproveitamento do mesmo. Além disso, pode-se aplicar o transfer em qualquer parte da peça confeccionada com extrema facilidade.

Tais vantagens podem facilitar muito a produção de uma coleção, basta estabelecer uma parceria entre as confecções, estamparias, fornecedores dos produtos químicos e os demais prestadores de serviços. Hoje em dia podem-se obter estampas diferenciadas aliadas à qualidade e agilidade de produção.


As evidências apontam para um aumento significativo da presença de empresas de Transfer no mercado e também da procura por parte dos consumidores. Com isto, a serigrafia vem ganhando um importante aliado para incrementar as opções de qualidade, principalmente na decoração de tecidos.

Um fato bastante positivo é que, assim como cresceu o setor de Transfer, também aumentou o interesse do público por trabalhos executados com esta técnica. Uma coisa puxa a outra, e as empresas de Transfer vão se tornando cada vez mais técnicas e especializadas naquilo que fazem. Consequentemente, os consumidores passam a ter acesso a produtos de melhor qualidade, o que aumenta seu interesse.

Ao contrário do que acontecia no passado, quando a técnica de Transfer era quase que uma exclusividade das chamadas “empresas artesanais”, hoje o processo é uma maneira com que muitas empresas ampliam seus rendimentos. Há tanto aquelas empresas que utilizam máquinas de Transfer como um complemento a outras atividades serigráficas como aquelas que se dedicam exclusivamente à técnica. Em ambos os casos, há exemplos bem-sucedidos que aliam produtividade e lucratividade.

Um exemplo claro de que o segmento cresceu é que os anúncios das máquinas e serviços de Transfer, antes restritos às publicações serigráficas, hoje já ocupam alguns programas de televisão e os jornais. Além disso, já se podem encontrar estampas para termotransferência sendo vendidas em lojas de shopping, ou seja, o Transfer está cada vez mais próximo do grande público.

Para quem deseja ingressar no segmento de empresas que trabalham com Transfers, e mesmo para os consumidores mais seletivos, é bom deixar claro que existem tipos diferentes de negócios associados com a técnica de termotransferência:

TRANSFER INDUSTRIAL

Pode ser definido com aquele tipo de empresa que está acostumada a receber encomendas que envolvem grandes quantidades e, por isto, trabalham com máquinas pneumáticas, que fazem a transferência com um intervalo certo de tempo.

O processo inclui desde os Tranfers sublimáticos, utilizados na decoração de vestuário esportivo (camisetas de times de futebol), até os Transfers de poliuretano, aplicados em detalhes de roupas íntimas (logotipo de empresas em cuecas, por exemplo), passando pelo Transfer com plastisol, que decora artigos de algodão e são considerados ideais quando adicionados aos trabalhos de uma estamparia têxtil localizada.

O Transfer industrial, na grande maioria dos casos, diminui a participação do operador quanto ao acionamento do equipamento. Ele precisa apenas colocar o material na máquina no tempo devido, para que a produtividade seja mantida em níveis altos. Há, portanto, no Transfer industrial, um ganho de tempo muito grande.

O Transfer industrial pode ser produzido por meio de serigrafia, off-set, rotogravuras, etc. Podemos considerar como semi-industriais as empresas que produzem transfers serigráficos, mas que utilizam para isto prensas manuais.


PARA QUEM QUER PRODUZIR TRANSFERS SERIGRÁFICOS

O primeiro caminho é saber que tipo de material receberá a decoração por meio de Transfer. Mesmo se a resposta for tecido, é importante saber quais as suas principais características, ou seja, saber se o tecido é de algodão, poliéster, etc.

Caso você ainda não tenha comprado a prensa para a transferência, espere. Procure, inicialmente, comprar a base para impressão (papel ou filme) e a tinta adequada ao tipo de Transfer desejado. Em seguida, produza alguns Transfers, seguindo basicamente, as orientações dos fornecedores, ou mesmo dos fabricantes de tinta, quando isto for possível. Geralmente, os boletins técnicos de uma tinta indicam quais os tipos de malha, rodo, diluição, secagem, etc.

Feito isto, entre em contato com a revenda de prensas e verifique a possibilidade de conhecer o equipamento, testando-o nas suas próprias condições de trabalhar (por exemplo: uma camiseta meia-malha).

Finalmente, faça testes de lavagem, respeitando antes algumas orientações do fabricante e verifique se irão atingir suas necessidades.


TRANSFER DE FLOCAGEM

Consiste na transferência de flocos para tecidos em geral, apresentando motivos em alto relevo aveludado. Sugestão para processo.


TRANSFERÊNCIA DIRETA DE FLOCOS PARA O TECIDO

Impressão do motivo: Sericryl Termocolante T-5088 sobre tecido com matriz de Poliéster monofilamento 32 a 36 fios. Efetuar sistema "repique" uma camada sobre outra com secagem intermediária. Após a secagem superficial de no máximo 1 hora, colocar papel flocado sobre o motivo e efetuar a transferência.


Temperatura:    180 a 190ºC
Tempo:            15 a 18 segundos
Pressão:           70 a 100 libras
Remoção do suporte: A frio


Obs: Para tecidos mistos ou sintéticos, recomendamos a adição de Sericryl fixador T-5720 na proporção de 5 a 7% no Sericryl Termocolante T-5088 no dia do uso.

Quando usar matriz de 36 a 44 fios mesmo em tecido de algodão, recomendamos a adição de Sericryl Fixador T.5720 na proporção de 5 a 7 % no Sericryl Termocolante T.5088 no dia do uso.


TRANSFER PRONTO PARA USO

Utilizar matriz com gravação ilegível.

Impressão do motivo (desenho): Diretamente sobre papel flocado com Sericryl Transtherm Pasta T-5086, utilizando matriz de poliéster monofilamento de 32 a 36 fios. Para motivos em detalhes finos utilizar matriz de até 55 fios com relevo na gravação da matriz.

Aplicação de Poliamida 200 pó sobre Sericryl Transtherm Pasta ainda úmido.

Aguardar secagem à temperatura ambiente por 8 a 12 horas e remover o excesso de Poliamida 200 com auxílio de escova de pêlo macio.

Passar na estufa à temperatura de 100 a 120ºC por 1 a 2 minutos para fusão de Poliamida 200 sobre Sericryl Transtherm Pasta.

Transferência: Temperatura 170 a 190ºC por 10 a 12 segundos e pressão de 70 a 100 libras.

Remoção do suporte: A frio.

Validade do transfer: 2 anos conservado em ambiente à temperatura máxima de 30ºC e grau de umidade baixa.



TRANSFER PAPEL REFLETIVO


O transfer com papel refletivo cria um efeito diferenciado, refletindo a luz na estampa aplicada. Este papel é um filme de poliéster refletivo com micro esferas de vidro para aplicação serigráfica em tecidos de algodão ou outros tecidos sujeito a testes. Dependendo do tecido é aconselhável adicionar Sericryl Fixador na proporção de 3 a 5%. Em tecido com elasticidade, o transfer pode vir a trincar. O processo de transferência é muito simples.

Utilizar uma matriz de 32 a 44 fios monofilamento, bem tensionada, com resistência a água. 

Deve-se utilizar o Sericryl Termocolante Ref. T.5088, fornecida pronta para uso. Não é necessário fazer nenhuma preparação, só no caso de utilização do Sericryl Fixador. 

Existem dois processos de confecção do transfer refletivo:

PROCESSOS

- Estampar o Sericryl Termocolante direto no papel refletivo numa mesa a vácuo, sem aplicação de repiques. Deixar secar ao ar ambiente (+/- 3 horas) e transferir para o tecido através de uma prensa térmica a 170 - 180°C por 15 a 20 segundos numa pressão de 100 libras. Remover o papel a frio.

- Estampar o Sericryl Termocolante direto no tecido numa mesa macia, com aplicação de 1 a 2 repiques. Deixar secar ao ar ambiente (+/- 3 horas) e prensar o papel refletivo na prensa térmica à 170 - 180°C por 15 a 20 segundos numa pressão de 100 libras. Remover o papel a frio.







Nenhum comentário:

Postar um comentário

Faça seu comentário, participe com suas sugestões!